22 de ago de 2014

Diretamente de Lisboa para nossos "amigos" brasileiros.

Estou esfatiando vida
Na esgrima que corta o vento
E nua de todos os gritos
Me entrego à liberdade do sangue
Num incessante vai e vem.
 Nada mais desejo trazer em mim,
 Alvorada uterina
 Que não seja a memória serena
Do teu rosto.
 Um dia quando o sangue se exaurir
E todo o silêncio me aconchegar
Ao seu peito Profundo,
Quem sabe num ápice me despeça dos campos em ebulição,
Das enseadas, dos odores- tantos!
 Do sorriso no rosto de minha Mãe Mas do teu rosto não.
Ele sempre esteve em mim Parindo-me de Primavera.
 Célia Moura –
A publicar – “No Hálito De Afrodite”
Pascal Chove Painting

4 comentários:

  1. Olá Nicinha

    É sempre bom receber os carinho de quem está longe, separada pelo oceano..

    Já agora um grande beijo diretamente de Portugal, Aveiro terra dos ovos moles. :-)
    Bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Nicinha, seja bem vinda também ao meu humilde blog, sua visita e comentário encheram meu coração de alegria. Pois é amiga o mundo é pequeno mesmo, qdo pensamos em distância, vem a poesia promover encontros e aproximar pessoas.. Foi bom te conhecer também. Um carinhoso abraço!

    ResponderExcluir
  3. Eu amo demais visitar seu espaço querida Nicinha.
    Beijos e um imenso abraço.

    ResponderExcluir

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.