15 de jun de 2014

JARDIM DA ALMA.

Posso atrever-me em perguntar como vai este jardim plantado na sua alma?
Desculpe, não é intromissão na sua privacidade, mas estou apenas querendo saber que cultivas mais flores e de que tipos, os tamanhos, as suas fragrâncias, só isso, pois, tenho tido a impressão de que, como não chove emoção há muito tempo em você, quem sabe a terra esteja árida, rachando, inóspita.
Se for assim, não se habitue as estas péssimas condições, elas matam qualquer florada, e sem floradas não existem pólen, sem pólen escasseia o mel e escasseando o mel que, gosto amargo fica na boca, na vida.
Concorda?
Tenho tido a impressão que aqueles lírios que ficavam logo na entrada do seu jardim devem ter crescidos e as rosas, plantadas um pouco mais lá atrás devem estar multicoloridas em brancas, vermelhas e amarelas, mais das amarelas, muito mais das amarelas, afinal estas são as suas favoritas.
Queria saber também se predadores têm prejudicado o crescimento delas, infestando-as de maus agouros, grilos indesejáveis, saúvas oportunistas, invejas pequenas de quem nunca cultivou flores, jamais dormiu com o insubstituível aroma dos jasmins do cabo, fartos, em cachos, generosos, parecendo querer cobrir a vida de branco emoldurando em perfume tão desejável, todos os ares que respiramos.
Vou lhe confidenciar uma intimidade: Jasmins me excitam, acho que é por me lembrarem a pureza do branco, a timidez que vejo nestas flores frágeis, a abertura encantadora de suas pétalas ensejando a facilidade dos beija-flores ao penetrá-la, sugá-la, alimentação sublime de um néctar que dá vida.
E como melhora a pele!
Amor de pele esfrega em poros, esquenta em sensibilidades, implode em jorros de prazer de vida, alternativa única de sentir a eternidade.
Mas não queria tergiversar tanto, ir mais longe do que deveria, nem atravessar outros oceanos de fantasias e muito menos tentar encontrar estrelas habitáveis no céu.
Não, não quero isso agora, agora quero somente saber como andam as flores do jardim da sua alma.
Regadas?
Faça isso sempre, não perca para o desânimo afinal, todos nós sabemos que, quando alguma coisa vai mal nas nossas vidas a primeira da qual esquecemos é continuar a dar vida às flores das nossas consciências.
Se as nuvens das tempestades não passassem, teríamos um dilúvio por semana e isso não é verdade, houve um só e, outro, vamos torcer para que não se precipite de novo.
Também, a maioria dos vulcões das nossas mentes está aparentemente extintos, para que provocar suas possíveis e teóricas erupções novamente?
Deixemos o Vesúvio em paz e, Pompéia soterrada, não deverá ser repetida, pois, o calor das suas lavas e o devastador efeito do seu magma, é insuportável.
Todo bom compositor gosta de dizer que, para não dizerem que ele nunca não falou de flores, enaltecer em versos e harmonias outras a gardênia, margarida, rosa, girassol, tulipa e...
Não, esta flor eu não vou colocar aqui, esta última espécie de flor é minha, tem o seu nome, e só é encontrada no jardim que plantei, não na minha alma e sim, no meu coração.
Ela é única, mas sobre pedra,jamais iria florescer.

Querido Paulo Tamburro, nos presenteia com mais um texto belissimo.

 http://ptamburro.blogspot.com.br

14 comentários:

  1. Olá.
    De fato esse texto do Paulo foi incrível, intenso, bonito.

    Bela ideia sua de republicá-lo.

    Obrigada pela visita e pelas gentis palavras. Como pediu, deixo aqui o link do meu blog e vou adorar se vc for lá mais vezes.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Olá amiga, vim desejar-lhe uma abençoada semana.
    Doce abraço Marie.

    ResponderExcluir
  3. Nicinha , o texto é belíssimo . O Paulo escreve muito bem . Agradeço aos dois pela generosa partilha . Beijos

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo mesmo! Estou nesta fase de replantar mudas e ressuscitar flores. Identifiquei-me por demais!
    Boa noite.

    ResponderExcluir
  5. Lindíssimo texto! O Paulo é realmente uma pessoa muito inteligente!!
    Amei.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  6. Achei belíssimo o texto do Paulo, deixei um comentário no blog dele. Você fez uma ótima escolha em fazer esta postagem tão maravilhosa. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  7. Nem sempre, Nicinha, nosso jardim interior está florido. Às vezes a terra está seca e uma sementinha persistente tem que se esforçar muito para romper a sua casca, vencer o solo árido, o vento, a chuva, para depois se fazer visível e bela...Assim é a vida.
    Gosto do Paulo.
    Beijos, amiga!

    ResponderExcluir
  8. Belo texto do Paulo! Já seguia o Humor em textos e não conhecia esse!
    Abs
    www.lucadantas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

  9. Olá, minha amiga
    Tudo de bom, para você.
    E os meus desejos de um fim de semana, excelente.
    Que a luz do Sol, aqueça os seus sonhos, e que o Criador, abençoe, os seus desejos, para que eles despertem e se concretizem.
    Desejos meus, de Saúde sempre e Paz.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Um texto para refletir.

    Muito bom!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Tentamos deixar sempre florido...mas as vezes falta regar mais a alma.
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  12. Excelente mensagem... Precisamos regar, podar o nosso jardim para que as borboletas e os passarinhos venham nos visitar.

    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, Nicinha.
    Belíssimo texto que nos trouxe.
    Por vezes, nossa alma tem suas flores maltratadas, ou, até se encontra desprovida delas. É preciso muito trabalho, muita perseverança, para florir mesmo em meios agrestes e mal tratados pela vida.
    Muito bom.
    Bjo amigo e bom fds

    ResponderExcluir
  14. Belíssimo texto, muito rico em reflexões!
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.