10 de ago de 2012

Rota para a felicidade: esqueça as notas e cultive os relacionamentos.

Escola ou amizades?
Relacionamentos sociais positivos na infância e na adolescência são elementos-chave no bem-estar da pessoa quando adulta.
Por outro lado, o desempenho escolar, e o nível educacional alcançado, parecem ter um efeito mínimo no bem-estar dos adultos.
A descoberta contrasta fortemente com a preocupação mais comum entre os pais na atualidade, que se desdobram, muitas vezes com sacrifícios, para colocar os filhos nas escolas mais caras, mas não necessariamente dão tanta atenção aos relacionamentos.
A constatação, feita pela equipe do Dr. Craig Olsson, da Universidade Deakin (Austrália), foi publicada no Journal of Happiness Studies.

Geradores de felicidade
Segundo os pesquisadores, trata-se de um trabalho exploratório, porque sabe-se muito pouco sobre quais aspectos da infância e adolescência influem na felicidade do adulto.
Essa condição de bem-estar na idade adulta foi definida como um senso de coerência, estratégias positivas de lidar com a vida, engajamento social e percepção dos próprios valores.
Os pesquisadores acompanharam 804 pessoas durante 32 anos, e avaliaram o impacto das suas "rotas" sociais e educacionais.
Em particular, eles tentaram associar o bem-estar na idade adulta com as seguintes situações na infância e adolescência: dificuldades financeiras da família, conectividade social na infância, desenvolvimento da linguagem na infância, conectividade social na adolescência e desempenho escolar.

Rotas de desenvolvimento
Os pesquisadores descobriram uma forte relação entre a conectividade social e o bem-estar na idade adulta.
Por outro lado, a rota desenvolvimento inicial da linguagem - desempenho escolar - bem-estar na idade adulta mostrou-se fracamente correlacionada com a felicidade geral na idade adulta.
A conclusão está de acordo com outros estudos, que mostram que dinheiro não traz felicidade.
Na verdade, um estudo recente mostrou que, quando o assunto é felicidade, o respeito importa mais do que o dinheiro.
Esta nova pesquisa também mostra que as rotas social e acadêmica não estão intimamente relacionadas, e podem ser caminhos paralelos no desenvolvimento das pessoas.

Fonte: Diário da Saúde

3 comentários:

  1. Um relacionamento bem vivido, bem cultivado, baseado em AMOR, RESPEITO, CONFIANÇA, vale muito mais do que qualquer conteúdo educativo, não desmerecendo a escola, pois sou professora e sei da sua importância. Porém o que acontece é que a família esqueceu-se da sua função primordial e atribuiu todas as obrigações aos demais grupos sociais.

    Um dia os pais ainda aprenderão que a base do bom indivíduo começa dentro do seio famliar.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Acredito que se faz necessário as duas situações. Na minha opinião, a educação de um modo geral tem que andar junto com a disciplina. Não adianta um intelectual que só enxerga todas as pessoas abaixo dele ou alguém que apenas respeita todo mundo, mas que não participa de nada, por não ter absorvidos certos conhecimentos.

    ResponderExcluir
  3. Olá!Seu blog é tudo de bom.Faz muito bem!
    Amei passar por aqui e já sou sua seguidora.
    Que Deus continue iluminando seu caminho.Boa semana.
    Conte comigo...um abraço!

    ResponderExcluir

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.