24 de out de 2011

Planos de saúde: saiba o que pode ser questionado na declaração de saúde.


SÃO PAULO – Para contratar um plano de saúde, o consumidor precisa preencher uma declaração de saúde indicando doenças ou lesões preexistentes. Desde janeiro de 1999, quando entrou em vigor a Lei do Plano de Saúde, o consumidor que tiver alguma enfermidade não terá cobertura de procedimentos de alta complexidade, cirurgias e internação em centros de terapia intensiva relacionados à doença citada do relatório.

De acordo com a advogada do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), Juliana Ferreira, o consumidor deve ser honesto ao prestar as informações solicitadas no formulário. “Se for identificada alguma fraude, a operadora pode cancelar imediatamente o contrato e até cobrar do usuário as despesas realizadas”, explica.

Por outro lado, as operadoras de planos de saúde também têm suas obrigações, pois o questionário precisa seguir algumas regras e algumas perguntas não podem ser feitas.

Apesar de ser proibido, algumas operadoras questionam se o consumidor fuma ou pratica esportes, mas, de acordo com Juliana, existem aquelas que perguntam até se o consumidor escova os dentes após as refeições. “A operadora não pode questionar os hábitos de vida do consumidor ou quais medicamentos ele usa e não pode exigir que ele passe em consulta médica para investigar possíveis doenças”, afirma.

Doenças preexistentes
O consumidor que tiver alguma doença preexistente terá sua cobertura restrita por até dois anos, apenas nos procedimentos mais complexos, como cirurgias e exames sofisticados. “Procedimentos mais simples, como consultas e alguns exames laboratoriais, poderão ser usufruídos pelo consumidor”, explica.

Segundo a advogada, o consumidor que quiser cobertura para alguma doença preexistente poderá pagar um valor maior pelo agravo e, assim, ficar livre da carência. “Contudo, sabemos que as operadoras que oferecem o agravo cobram valores exorbitantes por ele, o que impede que essa seja uma alternativa viável aos usuários. Na prática, portanto, estes têm de cumprir o prazo de carência. De qualquer forma, eles podem tentar negociar com a empresa o pagamento do agravo”, finaliza.

Fonte: InfoMoney

PONTO DE VISTA: É muito séria essa questão de cobertura dos planos de saúde, ficar atento as datas que constam na proposta/contrato de adesão ao plano de saúde é fundamental. Nunca esquecendo também de consultar a ANS para saber se o plano que você está adquirindo não está sob investigação ou tendo sua carteira de clientes assumida por outro plano de saúde, por exemplo, o plano SERMA está sendo administrado pela GreenLine e muitos de seus titulares não receberam nehum comunicado oficial, apenas os boletos bancarios com novo timbrado.

Perseverança

3 comentários:

  1. Prefiro os hospitais públicos do que dar dinheiro a essa gente.

    ResponderExcluir
  2. Plano de Saúde é meio complicado, mas o SUS está uma decadência...se correr o bicho pega e se ficar o bicho come...que fazer?! rs...bjs e paz,

    ResponderExcluir
  3. Excelente pergunta Amiga, temos a ANS com o 0800, denúncie qualquer irregularidade tanto do SUS como de seu Plano particular; temos também uma linha direta com o Min. da Saúde, onde poderá escrever ou telefonar quando o posto de saúde de seu bairro não estiver com atendimento conforme exige a OMS, sei que é complicado mas se cada um fizer sua parte como cidadão, quem sabe podemos pelo menos amenizar a situação. Bjs

    ResponderExcluir

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.