30 de mai de 2011

Sexo oral: 69 O prazer mútuo que vira você de cabeça pra baixo tem prós e contras.



O sexólogo Helio Fellipe afirma que, em termos fisiológicos, o "papai e mamãe" é a posição mais próxima do necessário para a consumação de uma relação sexual. No entanto, na hora h, cada pessoa precisa de um estímulo diferente. "A sexualidade de cada indivíduo é um segredo. Tudo vai depender do envolvimento, da maneira como o sexo rola e da abordagem do fato", explica.
Hélio salienta que há pessoas que, por conta da má informação ou da criação que tiveram, acreditam que fazer determinadas coisas na cama é coisa de vadia. "Com certeza essas mulheres desconhecem o seu próprio corpo e suas necessidades. É preciso exercitar a sexualidade (não o sexo) e a desinibição. É necessário fazer um trabalho de sensibilização para que sintam o erótico (não a pornografia) dentro delas", explica.
O sexólogo lembra que a natureza possibilita ao corpo humano muitas variações em busca do prazer sexual. "É claro que, para se fazer um 69, o casal deve se conhecer bastante. Os hábitos higiênicos são de primordial importância, já que ambos estarão literalmente de cara com a intimidade de cada um", afirma ele, acrescentando que o corpo deve estar não só limpo, mas também clinicamente sadio. "Não devemos imaginar outro cheiro senão o natural do sexo. Há quem, por não estar excitado o suficiente, confunda o cheiro natural do corpo excretado pelas glândulas sexuais com ‘um mau cheiro'. E aí, não rola!", explica.

Relaxa e goza

Para Helio Felippe, o 69 é fruto de fantasias e, consequentemente, um facilitador do orgasmo. "Algumas pessoas não se sentem confortáveis por conta da posição ou mesmo pela inibição da exposição total e podem ter dificuldades em atingir o orgasmo", afirma ele, sinalizando que pensamentos como 'será que estou limpo(a) o suficiente?' ou 'será que ele(a) está vendo as minhas gordurinhas ?' e até o medo de soltar gases podem comprometer a concentração no que se está fazendo.
"O mundo das fantasias e das possibilidades de prazer é enorme. O corpo todo deve ser explorado, não somente as zonas erógenas", afirma Hélio, lembrando que, com criatividade, podemos explorar muitas regiões durante o 69 como o bumbum, as coxas e o ânus, que é extremamente vascularizado e dotado de erotismo em ambos os sexos. "Com tato e carinho, uma conversa pode abrir caminhos para novas experiências", finaliza.

E você o que acha?



Fonte: Bolsa de Mulher/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.