29 de dez de 2010

Melhores e piores calçados para dirigir,escolha certa proporciona direção mais segura e previne problemas nos pés.




Mais importante do que combinar o calçado com o resto do figurino é saber qual o tipo mais apropriado para dirigir. Preciosismo? Não se pensarmos que dessa escolha dependem uma direção segura e a prevenção de dores e lesões nos pés e tornozelos, especialmente em motoristas que passam muito tempo ao volante.
“Uma eficiente operação dos pedais exige sensibilidade nos pés”, diz o jornalista especializado em automóveis e ex-campeão brasileiro de velocidade Bob Sharp. Os calçados estreitos e de sola fina, como o mocassim, são os mais recomendáveis por Bob. “Esse tipo permite ao motorista ter a percepção necessária dos pés nos pedais, essencial para uma boa condução”.
Na mesma linha, ele recomenda também as botinhas ou sapatilhas usadas por pilotos. Bob lembra que os solados de borracha não descarregam a eletricidade estática.
“Quanto maior a espessura do sapato menor a sensibilidade. O ideal é que o calçado tenha solado fino, não saia do pé, não escorregue e permita ao motorista sentir bem os pedais”, explica Manzini/instrutor. O instrutor chama a atenção também para os cadarços, que soltos, podem atrapalhar o movimento dos pés e causar acidentes.
Já para o médico ortopedista Alberto Mendes, especialista em pé e tornozelo, se, por um lado, os calçados de sola fina dão mais sensibilidade ao motorista; por outro, um solado muito flexível pode causar lesões. “O ideal é que o solado seja rígido para impedir o movimento de apenas uma parte dos pés, como só dos dedos, do calcanhar ou da lateral do pé”, diz Mendes. Segundo especialista, os casos de inflamação por dirigir com o calçado errado não são tão comuns. “O que vemos mais frequentemente no consultório são traumas causados pela maneira errada de apoiar e distribuir o peso dos pés no pedal”.

O primeiro ponto a ser observado, segundo o ortopedista, é a posição do banco do motorista. “Com o banco muito para frente ou muito para trás não há distribuição correta do peso; daí, alguns motoristas dirigirem com a lateral dos pés, com o calcanhar os apenas com os dedos”, alerta Mendes.

Descendo do salto:

Embora a proibição não seja prevista em lei – de acordo com o artigo 252 do Código Brasileiro de Trânsito, é proibido dirigir usando calçado que não se firme nos pés ou que comprometa a utilização dos pedais – o salto alto não é, segundo o ortopedista, o calçado ideal para dirigir. “Ele força as mulheres a usar apenas os dedos, o que gera dor de compressão no antepé. Por evitar o problema, elas podem deixar um calçado no carro para dirigir, colocando o salto alto apenas quando deixar a direção”, aconselha.






Texto: Adriana Bernardino/jornalista e redatora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.