8 de jul de 2010

HPV no homem, nós mulheres também podemos ter.


O oncologista Sergio Daniel Simon, especialista, que atua no Hospital Albert Einstein, na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e no Centro Paulista de Oncologia, afirma que a má higiene do pênis, associada à presença de fimose, costuma provocar grande parte dos casos do câncer no órgão genital masculino. Mas também admite que o HPV pode causar uma série de modificações genéticas que, posteriormente, desencadeariam a doença. “Esse tumor se localiza basicamente na pele, mas pode haver penetração profunda”, alerta.
Pesquisa recém-divulgada pelo INCA (Instituto Nacional do Câncer), em parceira com o Instituto de Virologia da Fundação Oswaldo Cruz, mostra que o HPV está associado a até 75% dos casos de câncer de pênis.
HPV é comumente associado às mulheres por ser responsável por quase 100% dos casos de câncer no colo do útero , mas ele também ocorre nos Homens: O papilomavírus humano, ou HPV, também afeta os homens – e mais do que as pessoas imaginam.

Como identificar o vírus e tratá-lo:

As lesões e verrugas em formato de couve-flor (de diversos tamanhos) – uma característica da presença do HPV no organismo – são mais visíveis e fáceis de ser identificadas no pênis (na glande ou no prepúcio) do que na vagina ou no colo do útero. Por isso, nesse aspecto, os homens saem em vantagem na luta contra o vírus.

Uma vez descobertas, lesões e verrugas são tratadas com procedimentos como cauterização, uso de pomadas, crioterapia e cirurgia a laser.

O problema é que nem sempre esses sinais aparecem. E aí, tanto o diagnóstico quanto o tratamento podem ser mais complicado para eles do que para elas. Por isso, caso a parceira seja diagnosticada com a doença, mesmo que não haja marcas no pênis, o homem precisa passar por um exame preventivo: a genitoscopia. Em casos positivos para o HPV, pode ser necessário ainda uma avaliação mais específica, chamado hibridização molecular ou captura híbrida. Esse exame retira uma minúscula amostra de tecido para biópsia.

A falta de um diagnóstico precoce e alguns obstáculos, como cepas (tipos) resistentes do vírus e imunidade baixa, porém, podem tornar o tratamento complicado e ineficiente. Nesses casos, o risco do HPV provocar um câncer aumenta, assim como a necessidade de retirada de boa parte do pênis. “Mesmo com a amputação, felizmente, há como deixar uma parte do órgão que possibilite ao homem ter relações sexuais e urinar”, lembra o urologista do Inca, Antonio Augusto Ornellas.
É possível prevenir?

O HPV é transmitido sexualmente ou pelo contato via oral ou genital com fluidos contaminados, que afeta a área genital e a mucosa oral. Portanto, assim como toda doença sexualmente transmissível, o vírus também pode ser barrado com o uso de camisinha – tanto feminina quanto masculina. Essa proteção, porém, não é tão eficaz para o HPV quanto é para outras DSTs. “O homem pode contrair o vírus pela bolsa escrotal, por exemplo, que não recebe a proteção da camisinha”, alerta Ornellas.

Quanto à vacina contra o HPV – três doses, com um custo alto ainda no Brasil e indicada apenas para mulheres sexualmente ativas – teoricamente, ela também poderia ser um recurso de prevenção para os homens. Mas, segundo os especialistas, além de brecar a atuação apenas dos tipos mais comuns de HPV, ainda não há estudos comprovando a eficácia ou atuação da vacina para o sexo masculino.
Fonte: Portal Terra e Palestra p/ funcionários e convidados do AME
Imagem: jornallivre.com.br

Parte II - Saúde da mulher - por Fernanda Aranda,
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estuda liberar a aplicação da vacina contra a doença para este grupo etário. Por enquanto, o único público que tem autorização sanitária no País para receber a imunização é o de jovens do sexo feminino, de 9 a 25 anos. As doses –são três, no total, para garantir a eficácia – só são oferecidas na rede privada de saúde, por preços salgados: as três doses ultrapassam mil reais.
Estudo internacional mostrou eficácia da vacina em mulheres de 24 a 45 anos.

Vacinas na rede pública

A perigosa disseminação de casos de HPV fez com que um grupo de especialistas de reunisse para estudar a implantação da vacina no calendário público de imunização. No ano passado, por meio de verba repassada pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, foi implantado o primeiro Instituto Nacional de Pesquisa em HPV.

Uma das missões da entidade é mapear a prevalência da doença entre os brasileiros e brasileiras e traçar estratégias para garantir as doses gratuitas. “Essa é uma meta muito importante para o Instituto do HPV, mas que ainda não foi abordada na prática. Nos próximos meses, esperamos determinar ações para disparar projetos que discutam a implantação das vacinas profiláticas contra o HPV na rede pública”, afirma a médica Luisa Lina Villa, diretora do Instituto e também pesquisadora do Instituto Internacional Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer.

8 comentários:

  1. Os tratamentos disponíveis são: cauterização, uso de pomadas, crioterapia e cirurgia a laser, segundo vossas opções atuais.
    Jamais fiz qualquer tipo de cauterização em meu corpo, mas creio que possa haver perda de tecido ou mesmo aumento do mesmo, dada a possibilidade da formação de cicatrizes quelóideas, como vistas em alguns tipos de "tatuagens" em relevo feitas por metal aquecido e encostado à pele..
    Desconheço a crioterapia. Acho que ela pode ser aplicada caseiramente, mas, segundo propaganda televisiva, a marca "Points" foi indicada para a retirada de verrugas sobre a pele. Seria esse método também aplicado nas "verrugas" sobre as mucosas genitais acometidas pelo HPV?
    A cirurgia a laser aparenta ser uma sofisticação da cauterização, mas merece uma abordagem de conhecimento mais profunda, detalhada e detalhista, o que me escapou.
    Tive verrugas pequenas e de superfície lisas em meu pulso de meu antebraço esquerdo, no lado em que fica a palma da mão, as quais tratei com pomada de beladona. Incrivelmente passava a tal pomada diariamente, entretanto pensei que não fosse funcionar, pois aquelas verrugas diferenciadas (ou seja, de superfícies lisas) aparentavam não reagir ao tratamento com a dita pomada. Para minha surpresa, após eu interromper o tratamento, por descrer em sua eficácia, passados alguns dias [aproximadamente 2 (duas) semanas] as verrugas desapareceram completamente sem deixar vestígios visíveis pelo menos a olho nu. Sendo assim, gostaria de um tratamento para meu HPV glandiano e peniano a partir de aplicação de pomada, visando a preservação tecidual.
    Muitíssimo obrigado pelas informações e pela oportunidade da obtenção informativa envolvida com o HPV dentre outros tipos virais que possam ter tratamentos semelhantes e quiçá menos injuriosos aos tecidos cutâneos atingidos por tais vírus.
    Fernando Bastos Nina Ribeiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vindo Fernando!
      Infelizmente o HPV em "alguns" casos não podem ser tratados apenas com pomadas, exemplo em mulheres podem até ocorrer até tratamento como a Braquiterapias e cirurgias.
      Respondendo sua pergunta: Seria esse método também aplicado nas "verrugas" sobre as mucosas genitais acometidas pelo HPV? Não Fernando não seria esse método de tratamento. Na postagem falamos sobre esse método, mas se o caso esta agravante não se é possível, até porque esse método não elimina o vírus transmissor. Releia a postagem por favor.
      Primeiro passo iniciamos com exames análises clinicas de rotina incluindo PSA, ultrasografia, peniscopia, espermograma e então podemos chegar até uma coleta de biopsia se necessário e anatomo para chegarmos a conclusão do melhor tratamento, não descarto também cirúrgia em alguns casos.
      Se você estiver em SP, será um prazer conhece-lo e indicar o melhor tratamento, minha especialidade não é urologia mas faço parte de equipe de doenças infecto-contagiosas-sexualmente.

      Fraterno abraço
      Nicinha

      Excluir
  2. Nicinha, minha prima fez o exame e como resultado deu "baixo risco". Isso quer dizer o que ? É também, igualmente contagioso?
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe Baixo risco, a partir de que existe a comprovação de estar com o virús o contagio é sim possível.Colposcopia/vulvoscopia com biopsia é o exame de inicio para a mulher, orgãos como colo-útero / útero / camada vaginal podem passar por processo cirúrgico e sessão de braquiterapias, a esterilização dessa região é fundamental para que i vírus não se espalhe, evitar coceiras e a falta de higiene pessoal facilita na dificuldade de um tratamento eficaz.Sugiro que sua prima repita o exame, incluindo o papanicolau.
      Bjs

      Excluir
  3. Oh Nicinha ainda não havia lido essa matéria, e parabenizo-lhe por esclarecer com precisão sobre os riscos do HPV. Tema de suma importância para o homem e mulher. Os jovens precisam demais de orientação, parece que eles não acreditam na possibilidade de contrair DST's. Bjs amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dina, isso mesmo, os jovens são muito confiantes em si mesmos, acreditam que o atual namoradinho (a) jamais estaria em risco, o problema começa em casa, com a evolução da internet está cada vez mais dificil os pais conseguirem ter um certo "dominio" na orientação e determinação de quem seus filhos podem ou não manter relacionamentos.
      Beijinho

      Excluir
    2. Olá boa tarde alguns dias notei pequenas manchas escuras no pênis sendo que as mesmas não dói não coça O que poderia ser?

      Excluir
    3. Olá boa tarde alguns dias notei pequenas manchas escuras no pênis sendo que as mesmas não dói não cossam. O que poderia ser?

      Excluir

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.