28 de mar de 2010

MESTRE PAULINHO DA VIOLA ONTEM 1981 E HOJE 2010.




O samba era uma linda ponte de belas histórias.
O samba é um belo e caudaloso rio, mas hoje a história é outra.

O rio que passou na minha vida foi a Portela de Candeia e Zé Keti.
O rio que passa na minha vida é a Portela de Monarco e Casquinha.

Eu aspirava a muitas coisas.
Eu aspiro ao essencial; uma boa saúde.

Meu coração tinha mania de amor e se entregava.
Meu coração tem mania de amor e não aprende.

A marca dos meus desenganos foi a solidão.
A marca dos meus desenganos é o silêncio.

Eu temia viver a deriva.
Eu temo não poder navegar.

Ah, minha Portela, quando eu via você passar, " Ah! quantas lagrímas "
Ah, minha Portela, quando vejo você passar, " tudo passa, passa nesta vida "

Eu cantava Carinhoso.
Eu canto, os males espanto.

Eu escutava e não ligava.
Eu escuto e... "pode repetir por favor".

Eu usava roupas da moda.
Eu uso mas não abuso.

Me alegrava uma roda de choro.
Me alegra um bom papo.

Eu pegava meu violão e saía noite adentro.
Eu pego meu violão e procuro um cantinho.

Meu cavaquinho chorava quando eu não tinha mais lágrimas.
Meu cavaquinho chora quando surge uma melodia nova.

fonte:Folha de São Paulo 28/03

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.