22 de mai de 2009

PRIMEIRO DIA DE AULA


Amanheceu e as meninas mais velhas já estavam no corre e corre de toda as manhãs.
Dar banho nas que faziam xixi na cama, encaminhar outras para o salão de refeições, pois o café da manhã era servido para aquelas que tinham que ir no período da manhã para a escola.
Ela não entendia nada, acordou atordoada com aquele barulho e no melhor do sono, quem pensaria em acordar ás seis horas da manhã, ainda era meio escuro. Levantou, arrumou a cama, trocou de roupas e encaminhou para a fila do banheiro, escovar os dentes, lavar o rosto, nossa que água fria, mas não tinha escapatória e também nem poderia pensar em furar a fila, Ela já sabia o que aconteceria, iriam puxar os cabelos ou até quem sabe um empurrão de fazer ficar rodando por horas. Olhando no banheiro ao lado podia ver a irmãzinha, que vontade de ir lá, perguntar como estava mas não podia, pois embora durmissem juntas na mesma cama Ela sabia entendia que a pequena tinha que levantar primeiro pois dependia de outras meninas.
Ela só queria fazer pela irmã o que outras meninas faziam, mas era em vão, devido a diferênça de idades, haviam regras e essas tinham que ser obedecidas, qualquer deslize que fosse qualquer uma delas perderiam o direito de logo mais a tardinha ou a noite assistir a televisão.
Uniforme colocado e todas prontas aparece Dna. Nildete, olhando e arrumando os uniformes, orientando:* Subam as meias, abotoem as jaquetas esta frio lá fora, encaminhando e beijando algumas, passando as mãos na cabeça de outras dirigiram-se ao portão de saída do orfanato.
Era o primeiro dia de aula e Ela, bem Ela, não estava pensando nisso, naquele momento a visão de estar no portão, portão esse que entrou e ja se faziam dois meses que ela não passava por ele, portão que tantas vezes Ela dava umas escapadas na ilusão * MINHA MÃE ESTA DEMORANDO PRA VIR ME BUSCAR*.
Chagando na escola, Cidinha a acompanhou até a sala de aula juntamente com Tomazia, hoje apenas saudades pois sua amiga já não esta mais entre nós.
Sentada numa carteira e claro próxima a janela, Ela observava os demais alunos. A professora apresentou para a classe as novatas e logo em seguida iniciando a aula.
Ela não tinha dificuldade pois sempre foi interessada em aprender tudo, saber de tudo, era o caminho para quando a mãe voltasse e tivesse ogulho Dela.
Ela por sua vez, sempre mantinha-se sentada, não conversava, não participava, sempre fechada. Os meninos falavam que ela tinha problemas na cabeça, isso magoava, chorava por dentro, vingar-se não estava nos seus planos, Tomazia já havia alertado,
*Não liga não, são essas roupas que usamos, tudo é diferente.
E assim foram longos dois anos. Até que sua irmã passou a frequentar a escola também.

Um comentário:

  1. Nossa, qdo te falei que iria ser meu livro de cabeceira, falei sério,é uma lição de vida.
    Sou tua amiga a tantos anos, mas não imaginaria tudo isso. Estou com você. Bel

    ResponderExcluir

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.