30 de mai de 2009

EMOÇÕES I

Estando agora com nove anos Ela começou a receber tarefas, essas pelas quais eram muito prazerosas, iria ajudar as menores na arrumação de livros, revistas, papéis coisas da Sala de Leitura. Ali começou a ter leitura sobre livros de todos os gostos. O que mais chamou a sua atenção foi uma lista telefonica, elas eram diferenciadas por assinantes, endereços residenciais e comerciais.
Nessa sala de leitura haviam também uma máquina de datilografar, armários onde arrumavam-se os livros de escola para pesquisas e estudos e um aparelho de telefone.
Um quadro com pintura de uma menina bonita sentada numa cadeira, parecia que ela estava sempre sorrindo para Ela, falava-se que era a filha do dono do orfanato que morrera ainda criança talvez nove ou doze anos de idade.
Começou logo a pensar: * Aqui deve ter o número de telefone do serviço da mãe *
E assim começou a perguntar pra Cidinha como seria achar ali o tal número.
Cidinha explicando como seria aproveitou e perguntou: * Você ja falou no telefone ? *
Ela respondendo a amiga Cidinha que apenas tinha visto o tal aparelho mas nem sabia direito o que era aquilo.
Cidinha então providênciou o número de telefone do trabalho de Dna. Neusa. Tinha na ficha de permanência de cada menina do orfanato, para o caso de uma necessidade .
E quando um dia ao voltar da escola, trocando de uniforme, foi então para a biblioteca, de repente Cidinha a chama com o telefone fora do lugar.
O telefone ficava em um móvel entre a mesa de Dna. Nildete e o armário de livros de capa dura.
Cidinha pediu para que Ela ficasse sentada ali.
Sentou-se e aguardou.
Cidinha passou o telefone para as mãos Dela; Ela sem saber ainda o que acontecia disse:
* Alô! quem é?
* Sou eu minha filha, é a mãe.
Lágrimas corriam pelas faces de Cidinha, era a única que sentia o que se passava naquele momento, Cidinha sabia a necessidade e a falta que a mãe lhe fazia, entendia o sofrimento que Ela passava.
Ela: * mãe, é a senhora, vem me buscar!
Ela me narra que não lembra muita coisa do que a mãe falou nesse dia más nunca esqueceu como foi falar ao telefone pela primeira vez e ainda sendo com a mulher de sua vida.










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Feliz por sua visita! espero que tenha gostado e claro seja sempre bem vindo.
Fraterno abraço, desejando felicidades.